APOLOGISTAS DE PLANTÃO



“Edificarei a minha igreja.”




Renato A. T. T. Moul
19/10/2011


 

Através de uma conversa que Jesus teve com seu dísciplo Pedro, deixou-nos uma promessa, que alcança cada crente envolvido nos Reino de Deus.

“Pedro, tu és pedra e sobre esta pedra esdificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” Mt 16.18

 Ao falar com o discípulo, Jesus o chama de pedrinha (no original grego, Petros). Já ao dizer que o edificaria sobre esta “pedra”, que é a igreja, usa o termo rocha (do grego petra). Vemos aqui um jogo de palavras, onde o sábio Jesus mostra que Pedro, seria apenas uma das ínumeras pedrinhas que colaborariam para o crescimento do Reino de Deus.

http://1.bp.blogspot.com/_NzqXWRSPMCE/SL6vDS_PWuI/AAAAAAAAATg/R2lhj7opY7A/s1600/edifique_sua_casa.jpgPor isso, ao que alguns contrairamente afirmam, Pedro não era a pedra fundamental da Igreja, assim como nenhum outro ser humano. Constatamos isso ao ver Paulo dizer, em I Coríntios 3.10,11 : Pus eu, o fundamento e outro edifica sobre ele;mas veja cada um como edifica. Porque ninguém pode pôr OUTRO fundamento, além do que já está posto, o qual é JESUS CRISTO.  Ele é a nossa Pedra Angular. O prório Pedro declara que Jesus é a pedra viva, eleita e preciosa, a pedra que os edificadores rejeitaram. I Pd 2.4,6,7 ; At 4.11. Em nenhum momento a Bíblia declara que Pedro seria a suprema e infalível autoridade sobre a Igreja(At 15; Gl 2.11), assim como também não se diz que haveriam sucessores infalíveis. Desde então, dizer que alguém é a base da Casa de Deus, é usurpar o lugar de Cristo!
Na estrutura da Igreja global, somos tijolinhos, e a nossa presença não é apenas por mera conveniência, mas selada com um compromisso firmado com o Pai, que nos chama de filhos e nos dá tarefas espirituais, para realizarmos, independente de cargos, nomes e posições; pois qualquer pessoa que aceita a Cristo, como Salvador, já possui a incumbência de levar a Preciosa Semente.

E é para isso que Jesus nos deu as chaves do Reino, uma autoridade dada por Deus, usada no meio espiritual. Não é uma chave de ouro, de prata, ou outro material qualquer. Não é uma chave que abre um portão de bronze ou uma porta secreta numa cidade subterrânea. E nem adianta sair procuradno um baú cheio de tesouros, que será aberto pelo molho de chaves dado por Cristo. Não, definitivamente não!
As chaves as quais Cristo se referiam eram espirituias, entregues à pessoas espitiruais, para obras espirituais. Jesus sabia que, ao adentrarmos no campo da evangelizaçao, iríamos nos deparar com investidas do Maligno. É por esse motivo que a Igreja de Cristo possui chaves, que nos dão acesso à todo e qualquer lugar, que precise ser pisado pelos nosso pés. Não há barreiras, portas ou muralhas que impeçam o avanço do povo de DEUS. Ele nos dá o direito de andar pela terra dizendo que Ele é, era e sempre será. Através da Sua poderosa Palavra, todo mal é desmanchado e o crente canta vitória. Através dessas chaves todo o pecado é repreendido: a oração é eficaz, quando em prol da causa do Pai ( At 1815-18); as forças demoníacas são dominadas e os cativos são libertos; o pecado é denunciado, o juízo anunciado e a salvação proclamada (At 2.23; 5.3,9; 15.7,9; 18.19,20; Jo 20.23;).

A Igreja não é uma mera instituição não governamental, um ponto de encontro, clube de festas ou uma reunião de passatempo. Como instituição espiritual, é a reunião de um povo, por convocação; é um povo peregrino, que não pertence à essa Terra (Hb 13.12-14), é o Templo de Deus (Ef 2.11-22); Corpo de Cristo (I Co 6.15,16); Noiva de Cristo ( Ap 19.7-9); Comunhão espiritual (Fp 2.1); Povo de Deus (I Co 10.32); Ministério espiritual ( Rm 12.6); Exército ( Ef 6.17; Hb 4.12); Coluna e firmeza da verdade ( I Tm 3.15).

Fica claro então que, não basta alugar ou comprar um prédio, enchê-los de cadeiras, providenciar uma ornamentação razoável e um nome qualquer, para se ter uma igreja. Igreja vai muita além dessa concepção raquítica e deficiente, onde indíviduos desregrados criam a qualquer preço uma instituição que se passa por espiritual. Recebi um email um desses dias, que trazia uma lista estrambólica com nomes de igrejas, também estrambólicos. Podia-se ver desde Igreja Evangélica Florzinha de Jesus até Igreja a Serpente de Moisés, a que Engoliu as Outras; passando por Igreja Evangélica Dekanthalabassi, Igreja Evangélica Pentecostal Cuspe de Cristo, Associação Evangélica Fiel Até Debaixo D’Água e Igreja Eu Também Quero a Bênção.

http://guiadoscuriosos.com.br/blog/wp-content/uploads/2011/08/PontodeInterroga%C3%A7%C3%A3o.jpgAmados, até onde vai a seriedade de organizações como estas? Até onde vai o nosso compromisso como Igreja de Deus, aquela em que há a autoridade de Deus e nem o inferno prevalece contra ela? Que sejamos uma igreja avivada, unida, reunida, purificada, remida, santificada e espiritual. Pois desse modo, vivenciaremos aquilo que Cristo tem para nós e glorificaremos o Seu santo nome. Amém!














Com referências da Bíblia de Estudo Pentecostal

“O Senhor é o meu pastor e nada me faltará” (2)




Renato A. T. T. Moul
08/10/2011
SALMO 23


Um dos textos mais conhecidos da Bíblia Sagrada, citado até por aqueles que não professam a nossa fé, é essa pequena firmação feita no Salmo 23. Encontramos esse versículo expressado em adesivos de párabrisas de carros, em portas, em faixas, em calendários, até mesmo em propagandas de lojas e empresas. E ainda assim, não conseguiremos totalizar a nossa compreensão acerca dessa grandiosa verdade: Deus é um Pastor para nossas vidas, e mediante isso, tudo que precisamos estará ao nosso alcance.
Ao fazermos um passeio pelo Antigo Testamento, encontraremos muitos qualificativos de Deus, e sete deles estão presentes nesse salmo:




--JEOVÁ ROPHI ( O Senhor é o meu Pastor) a mesma frase é exposta no versículo 1.












---JEOVÁ SHALOM (O Senhor é a minha paz)- v.2b:  guia-me mansamente a águas tranquilas. É a mesma frase dita por Gideão, enquanto sofria as tribulações imputadas pelos midianitas, e o Anjo do Senhor lhe falou acerca da vitória. Jz 6.24.



 





---JEOVÁ ROPHEKA ( O Senhor é a minha saúde)- no v. 3: refrigera a minha alma. Encontramos também em Exôdo 15.26, quando Deus adocicou as águas amargas de Mara, prometendo livrar o povo fiel e obedientede, de toda e qualquer enfemidade.









---JEOVÁ TSIDKENU (O Senhor é a minha justiça)- v. 3b: guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome. Jeremias profetizava acerca do Renovo de Davi, Jesus Cristo, e dizia que este seria chamado de “Justiça Nossa”. Jr. 23.6




 
---JEOVÁ SHAMAH (O Senhor é o meu companheiro)- v.4: ainda que andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu está comigo. Em Ez. 48.35, vemos Deus falando que o nome de sua cidade será O Senhor está Ali, onde é usado o mesmo termo em hebraico para, o Senhor está comigo.






---JEOVÁ NISSI ( O Senhor é a minha bandeira / vitória) v.5: preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos.









---JEOVÁ JIREH ( O Senhor é a minha provisão) v. 6: certamente que a bondade e misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida. Abraão testemunhou a provisão de Deus, ao ver seu filho ser poupado do sacrifício. Na ocasião, o patriarca usou essa mesma expressão, em Gn 22.14, usada aqui por Davi.





Nesse salmo, Davi fala dezessete vezes de si mesmo, como pastor, e treze vezes do Senhor. Pelo salmo, em Cristo temos: descanso, refrigério, direção, companhia, conforto, sustento, gozo, alegria e qualquer outra coisa (nesta vida / na eternidade).
 O termo pastor, do grego poimen, siginifa boaideiro, alguém que toma conta, conduz, guia, trata com carinho, alimenta e protege um rebanho.
O próprio Jesus Cristo, no evangelho de João, se autodenominou como o Bom Pastor,que dá a Sua vida pelas ovelhas. O escritor aos Hebreus se refere à Cristo como o Grande Pastor das ovelhas. E o apóstolo Pedro, em sua primeira epístola, O chama de Pastor e Bispo de nossas almas. Podemos ainda encontrar referências à figura de Deus, como pastor em Gn 49.24; Dt 32.6-12; Sl 28.9; 74.1; 77.20; 78.52; 79.13; 80.1; 95.7; 100.3; Is 40.11; Jr 23.3; Ez 34; Os 4.16; Mq 5.4; 7.14; Zc 9.16.
Algumas particularidade no tratamento pastoril, fazem apologia ao tratamento do Pai Celeste  para com seus filhos. O pastor livra o rebanho do perigo e dos vis predadores, Deus nos livra da tribulação, da inquietação e da morte. O pastor provia um óleo, que nas ovelhas era colocado na face, evitando a proliferação de larvas de moscas, que adentravam pelas narinas do animal, provocando fortes dores. No crente, Deus derrama unção em nossa fronte, como repelente para os maus pensamentos, dúvida, medo, falta de fé e ainda, como adorno espiritual, levando-nos a uma maior comunhão com o Espírito Santo.
A vara e o cajado também nos trazem uma mensagem espiritual. A primeira, era usada como orientadora no caminho das ovelhas, era através dela que o pastor guiava as ovelhas, dando uma sacudidela nas que se desviavam da rota predefinida. O segundo, possuía uma invergadura, e servia para resgatar ovelhas que caíam em abismos. Deus tembém nos alerta, quando afastamos os passos para direita ou esquerda. E quando caímos, Ele sempre nos levanta, pelo poder da Sua Palavra.
Por fim, Deus se sobressai como pastor de ovelhas, haja vista que Ele possui uma qualidade a mais: Ele dá a Sua vida pelas ovelhas. Através do sacrifíco de Cristo, alcançamos em Deus não somente empregos, felicidades, saúde, beleza, fartura, amigos, paz, graça, alimentos, calçados, roupas, livramentos, mas a maior de todas as riquezas, A VIDA ETERNA.

---Com extratos adaptados das Bíblias de Estudo McNair e MacArthur.

Deus fará o melhor







Por Renato A.T. M. Moul - 01/10/2011

 
http://3.bp.blogspot.com/-o4infWK8XMk/TgIbm1X7WFI/AAAAAAAAAeM/AKutZX5NkZ8/s400/Deus%2Bcuida%2Bde%2Bvoce.jpg“E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados por seu decreto.”
Não devemos deixar que a pressa e a ansiedade tome conta de nosso coração. Quem foi chamado por Ao lermos esse texto, escrito por Paulo,em sua carta aos romanos, vemos uma afirmação do cuidado e provisão de Deus, sempre bem presentes na vida daqueles que seguem um caminho trilhado na Sua Palavra. Sim, há um ser muito superior à nós, que se dedica em suprir toda e qualquer necessidade humana. Sabemos, pela própria Bíblia Sagrada, que há um Deus trabalhando para aquele que nEle espera. Sim, pois Ele tem prazer em abençoar o homem que se entrega aos seus cuidados.

A dificuldade está, por nossa parte, em esperar o momento certo de Deus em nossas vidas. Pois o fato de ter um agir de Deus ao nosso favor, não implica dizer que tudo será feito porque queremos, pedimos ou exigimos em nossas orações. Há até crentes que, baseando-se equivocadamente nesse texto, não fazem mais uma oração de devoção, de entrega, de humildade. Há pessoas que nem sequer oram, apresentam apenas uma lista (muitas vezes enormes) de petições que devem ser atendidas à risca. E como se não bastasse , ainda delimitam um prazo, para Deus entregar a encomenda.

O fato de ter um Deus trabalhando em nosso favor, mostra-nos que acima de toda e qualquer vontade própria do homem, acima de todo e qualquer plano pessoal, Deus fará o melhor. Pense que ninguém, em perfeito estado mental, planejará para sua vida algo ruim, desgastante, desagradável. Se os nossos projetos objetivam crescimento, sucesso e ganhos, imagine o Pai Celeste, em toda a sua plenitude. Com certeza, Ele nos surpreende com suas promessas, que vão além de nosso campo visual. Os nossos projetos  nunca conseguirão alcançar a grandeza do que o Ele tem para nós. A nossa mente não tem suporte para criar trajetórias tão longas e firmes, como aos caminhos criados por Deus, em pleno deserto. Como disse o profeta messiânico, os caminhos do Senhor não são os nossos, assim como os nossos pensamentos não são os dEle, simplesmete porque os de Deus são maiores, mais completos, perfeitos.
Nesse caso, o melhor que temos a fazer, é o que Davi fala em um de seus salmos: deleitar-se no Senhor, para que Ele conceda o desejo do nosso coração; entregar o nosso caminho ao Senhor, confiar nEle, para que Ele tudo faça. Essa entrega deve ser completa, a confiança deve ser sem reservas. Impulsionadas pela certeza que, aconteça o que acontecer, tudo estará no controle divino e, ao final, tudo se aperfeiçoará.

Não devemos deixar que a pressa e a ansiedade tome conta de nosso coração. Quem foi chamado por Deus, tem um caminho de vitória a ser trilhado. E, pela sua Palavra sabemos que, ao passar pelo fogo com suas mais ardentes chamas, elas não nos queimarão; ao passar pelas mais profundas e revoltas águas, elas não nos submergirão. Espinhos, covas, armadilhas, são todos vencidos. E por que não dizer que, direta ou indiretamente, facilitam e viabilizam a vitória do crente fiel. Foi através da acusação sofrida por José, que ele foi à prisão e chegou ao palácio. Foi através do cativeiro em Babilônia, que Daniel se destacou perante todo um reino. Foi através do coração endurecido de Faraó, que Israel vivenciou o êxodo.

http://jesuspramim.org/wp-content/uploads/2009/01/presente-deus.jpg
Que em nossos corações exista a certeza de que, em tudo Deus está operando. Quando estivermos inteiramente dedicados à Ele, contemplaremos sua provisão. Quando Isaque estiver prestes à ser atingido pelo cutelo, ouviremos o berro do cordeiro. Pois há um Deus trabalhando. Na chuva, no sol, na fraqueza, na força, na riqueza, na escassez, na alegria, na tribulação, na brisa, no furacão. E esse mesmo Deus está usando as circustâncias para executar Sua boa, perfeita e agradável vontade. No final, a surpresa chegará, uma resposta muito maior da que pedimos ou pensamos.

3 - BÍBLIA E ENGENHARIA - RECONSTRUÇÃO EM MADEIRA

Por Joaquim Teodoro Romão de Oliveira
Esta coluna tem como objetivo principal fazer comentários sobre trechos da Bíblia que de alguma forma tem ligação com a engenharia como ciência aplicada e tecnológica. O autor não tem a intenção de aprofundar os conceitos teológicos, mas apenas identificar passagens bíblicas que tenham conteúdo associado à engenharia.


Neste terceiro artigo serão abordados os versículos presentes em Neemias 2,1-8, a saber:

Eu disse ainda ao rei:
"Se parecer bem ao rei,
sejam-me dadas cartas para os governadores de além do rio,
para que me deixem passar, até que chegue à Judéia.
E também outra carta para Asaf,
guarda da floresta do rei,
para que me forneça madeira de construção
para as portas da cidadela do templo,
para as muralhas da cidade,
e para a casa em que vou morar".
E o rei concedeu-me tudo,
pois a bondosa mão de Deus me protegia.

Neemias solicita ao rei Artaxerxes da Pérsia, autorização para ir à Judéia para que possa reconstruí-la. Solicita ainda ao rei uma carta para que Asaf, o guarda da floresta real, lhe forneça madeira para a reconstrução. A madeira seria usada nas portas da cidadela do templo, nas muralhas de Jerusalém e na casa onde o Profeta iria morar. A madeira é um dos materiais mais antigos utilizados na Construção Civil. É um material que pode apresentar elevada resistência mecânica à compressão, dependendo do tipo de árvore. As chamadas madeiras de lei, tais como: Jatobá, Massaranduba, Jacarandá e Angelim, podem apresentar resistência à compressão igual ou até maior do que o concreto.

 Segundo o Dicionário do Engenheiro de autoria do Eng. Pernambucano Antônio Filho Neto: “A expressão “MADEIRA LEI” teve origem em uma lei promulgada no tempo do império. Não se tratava de uma definição técnica, pois, se referia apenas as madeiras, cujos cortes eram proibidos naquela época”. Cita ainda o referido autor que: “O escritor Osny Duarte Pereira, em sua obra “Direito Florestal Brasileiro”, publicada em 1950, página 96, mostra no § 12 do art. 5º, da Carta de Lei de 15 de outubro de 1827, que os juízes de paz de cada província eram encarregados da fiscalização das matas e de zelar pela interdição dos cortes das madeiras de construção em geral, por isso eram chamadas madeiras de lei.”
Tecnicamente, entretanto a definição para madeira de lei do Dicionário do Engenheiro é a seguinte: “madeira nobre, dura e resistente às intempéries, capaz de resistir ao ataque de insetos - cupins, brocas e fungos.”

A questão do ataque biológico (de insetos - cupins, brocas e fungos) é uma das maiores preocupações que se deve ter quando se constrói com madeira. Outra preocupação é que deve-se tentar proteger ou minimizar, se possível, os elementos de madeira a ciclos alternados de molhagem e secagem que diminuem a vida útil do material.

Nota-se, voltando ao texto bíblico, que a questão de proteção às florestas estava presente na Pérsia antiga, pois existia um guarda florestal do rei e que Neemias precisou de uma carta real autorizando o fornecimento de madeira para construção. 



A questão ecológica que é um temas mais atuais do século 21 já estava presente na Bíblia desde o Antigo Testamento.









PARA MAIS BÍBLIA E ENGENHARIA CLIQUE AQUI:
BÍBLIA E ENGENHARIA

Pedras no Caminho

Alexsandra Silva - RH em 5s
Sandra - como é mais conhecida - é Gestora em Recursos Humanos e mantém o blog RH em 5s




Quais são as pedras que estão sendo lançadas em teu caminho? Ou sobre você?
E quais são os "efeitos" que elas têm causado?Algumas nos machucam de imediato e com tal intensidade que causam feridas difíceis de cicatrizar.

http://3.bp.blogspot.com/_vmlO8IF2oRU/SdVJiwyYalI/AAAAAAAAAxQ/21BTCp9KlMc/s400/pes_pedras.png

Outras também machucam bastante, porém, não deixam tantas marcar, e o tempo de recuperação é um pouco mais rápido.
Existem também outras, que nem machucam tanto por fora, mas por terem sido lançadas em nós, machucam, não por fora, mas por dentro. E muitas vezes, nos desestabilizam, nos deixam frágeis e doem pelo simples fato de ter nos tocado. 


Porém, algumas vezes essas "pedradas" chegam até nós, para nos aproximar mais do Pai, para nos levar para mais perto D'Ele, e podemos então compreender o motivo de cada uma delas ter nos alcançado e que não importa qual foi a pedra, nem os seus efeitos, Cristo está sempre pronto a sarar o que ela nos causou.


Vale a pena #refletir!

Estamos em um Empreendimento Global

Russ Blowers (Ministro em Indianápolis) sabendo que seria interrogado na reunião do Rotary Club acerca de sua profissão, resolveu dizer mais que "Eu sou um pregador".

Em vez disso, ele explicou: "Oi, sou Russ Blowers.

Estou num empreendimento global.

http://servicebox.ch/images/empresa1.jpg


Temos ramificações em cada país do mundo. Temos representantes em quase todos os parlamentos da terra, bem como nas salas de reunião de diretoria. Somos pela motivação e alteração de comportamento. Movimentamos hospitais, postos de alimentação, centros de gravidez de risco, universidades, editoras e casas de saúde. Cuidamos de nossos clientes do nascimento à morte. Gostamos de seguro de vida e seguro contra incêndio. Realizamos transplante espiritual de coração. Nossa Organização original possui todos os bens imóveis da terra mais um sortimento de galáxias e constelações. Ele conhece todas e vive em toda parte. Nosso produto é gratuito (Não existe dinheiro suficiente para comprá-lo). Nosso Comandante nasceu numa cidade rústica, trabalhou como carpinteiro, não tinha uma casa, era mal- compreendido por sua família e odiado por seus inimigos, andou sobre as águas, foi condenado à morte sem julgamento, e ressuscitou da morte. Eu falo com Ele todos os dias".

Max Lucado - Aliviando as Bagagens

Formatura de Raissa - Culto

Hino Cantado na Formatura de Raissa Oliveira. Componente da Umadal de Casa Caiada.

Mais um evento onde a nossa Juventude marca Presença. E representa o Reino de Jesus Cristo.

Caminhos Tortuosos - Coluna Bíblia e Engenharia

Caminhos Tortuosos
           



Esta coluna tem como objetivo principal fazer comentários sobre trechos da Bíblia que de alguma forma tem ligação com a engenharia como ciência aplicada e tecnológica. O autor não tem a intenção de aprofundar os conceitos teológicos, mas apenas identificar passagens bíblicas que tenham conteúdo associado à engenharia.
            



 Neste segundo artigo serão abordados os versículos presentes em Isaías 40,3-4, a saber:

“No ermo rasgai estrada para o nosso Deus!
Todo o vale seja aterrado,
Toda montanha, rebaixada,
Para ficar plano o caminho acidentado
E reto, o tortuoso.”

http://www.junqueiropolis.sp.gov.br/clipart/terrapalanagem_di2.JPG
 Na engenharia civil um dos tipos de obra que são projetadas e construídas pelos engenheiros é a estrada. Esta especialidade é conhecida como Engenharia Rodoviária e tem um importante papel no desenvolvimento da infraestrutura das cidades e na melhoria da qualidade de vida das pessoas, além de facilitar o transporte de alimentos, matéria-prima e riquezas em geral.
            O vale citado nos versículos acima corresponde em Engenharia Rodoviária a trechos da estrada onde o terreno apresenta cotas baixas e planas, ou seja, planície. Estes terrenos muitas vezes estão situados às margens de rios, lagoas ou canais. Em muitos casos é necessária a elaboração e execução de um aterro para construir a estrada, que servirá de base para colocação do pavimento flexível (asfalto) ou rígido (concreto).
            Nestes vales normalmente ocorre a presença de solos de baixa resistência e de elevada compressibilidade, que são chamados em Geotecnia ou Engenharia Geotécnica, de solos moles. A Geotecnia é a área da Engenharia Civil que estuda as propriedades físicas e mecânicas dos solos com a finalidade de utilização como material de construção. Um dos tópicos de estudo da Geotecnia trata dos Aterros sobre Solos Moles.
            Por outro lado, o traçado de estradas pode levar a necessidade de cortes em áreas de cotas mais elevadas, os chamados taludes naturais ou encostas, o que corresponde no versículo abordado à “toda montanha, rebaixada”. 

http://static.panoramio.com/photos/original/8367395.jpg 
Um dos tópicos de estudo da Geotecnia trata dos Aterros sobre Solos Moles.Cortes e aterros exigem profissionais especializados e competentes para atuarem na investigação geotécnica, elaboração de projeto, execução e monitoramento/manutenção, de forma a garantirem o desempenho adequado da obra ao longo de usa vida útil.
Desta forma o caminho acidentado e tortuoso pode se tornar plano e reto, para o nosso Deus e para os seus filhos.

POR OUTRO LADO


REALMENTE, TODOS CONCORDAMOS COM MENSAGENS SUBLIMINARES EM FILMES.
MAS EXISTEM ALGUMAS MENSAGENS, QUE NÃO ESTÃO OCULTAS.
APENAS NUNCA OLHAMOS POR OUTRO LADO.

POR OUTRO LADO


REALMENTE, TODOS CONCORDAMOS COM MENSAGENS SUBLIMINARES EM FILMES.
MAS EXISTEM ALGUMAS MENSAGENS, QUE NÃO ESTÃO OCULTAS.
APENAS NUNCA OLHAMOS POR OUTRO LADO.

CONGRESSO DO SETOR 13

11o. CONGRESSO DE JOVENS
 DIAS - 30, 01 e 02 DE JUNHO DE 2011.
VENHA PARTICIPAR

ASSEMBLÉIA DE DEUS
RUA JOAQUIM ANTÔNIO DE MEDEIROS, 51
CASA CAIADA - OLINDA/PE

Assembleia de Deus - Abreu e Lima em Bezerros: Bem-Vindo


Novo Blog da Assembléia de Deus em Bezerros.

Assembleia de Deus - Abreu e Lima em Bezerros: Bem-Vindo: "Todos sejam bem vindos ao Blog oficial da Igreja Assembleia de Deus - Convenção Abreu e Lima em Bezerros."

Top Lists - Os dez mais Sábios da Bìblia


1. Jesus. Claro, ai sim era sabedoria. Responder às provocações de fariseus, se manter em silêncio contra julgamentos, e ainda oferecer a outra face. Falar a multidões, que o seguiam. Várias vezes, sem microfone e em lugares abertos. Manter-se sereno momentos antes da crucificação. Não rebelar-se. Morrer, previamente avisado, na cruz, como um cordeiro. Ensinar lições com fatos simples ou com sua ressureição. Jesus, o mais sábio dos homens que passou na terra.




2. Salomão. Governou o povo judeu com sabedoria, fazendo prosperar a cultura judaica. Conhecido pela passagem onde duas mulheres disputavam um filho e ele por meio da ameaça de morte da criança descobre quem é a verdadeira mãe.

3. Gamaliel. Professor de Paulo.

4. Moisés. Conhecido como legislador do povo.

5. Abraão. Pai da fé. Aprendeu a sabedoria vivendo fatos marcantes. Como a saída da Caldéia. E o possível sacrifício de seu esperado filho: Isaque.

6. José do Egito. Governador do Egito. Abaixo do Faraó. De escravo vendido a governador.

7. Samuel. Profeta. Último Juiz. Sacerdote. Ungiu Saul e Davi ao reinado.

8. Débora. Juíza.

9. Jó. Passou a 'provação de Jó', de onde saiu o termo "paciência de Jó" e não amaldiçoou seu Deus como sua esposa sugeriu que o fizesse.

10. Apolo. Pregador de Corínto.

QUEM ÉS DEIXA MARCAS







Fomos chamados para sermos líderes. Deus nos criou a sua semelhança, isso nos leva a sermos líderes natos. Em todo momento possuímos a oportunidade e privilégio de deixarmos marcas nas pessoas, pedaços de nós! Através de uma ordenança, Deus nos orienta a irmos levar a Sua maravilhosa e libertadora Palavra pelo mundo afora, com ousadia e fé na sua direção e vontade. Isto é liderança, com certeza! Em Sua plena sabedoria, Deus primeiro nos alcança com Seu amor, nos capacita através dele e em seguida, enche o nosso coração com o anseio de dividir, compartilhar tudo que temos em nós, e parece transbordar! A partir daí somos líderes, tendo que influenciar, sem ser influenciado. Mas não percebemos essa missão, nem vestimos a camisa dessa grande pretensão, sim! Pretensão! O nosso Pai teve a grande intenção de oferecer a nós, seres tão pequenos e dependentes, sermos demasiadamente fortes, ao ponto de poder representá-lo aqui na terra, durante  todos os dias!! A cada manhã, obrigatoriamente,  recebemos a autoridade de deixar marcas, com elas ou através delas, temos duas escolhas:  deixar marcas positivas ou marcas negativas. Por isso, peça sabedoria ao Pai, orientação do céu, para a cada momento, a cada circunstância, a cada pessoa que passar você... Seja distribuída a marca de Cristo! Ela está em você e ela está em mim! Pois essa marca vai muito além do que podemos enxergar... É uma semente, que nem vento, nem chuva podemos contemplar, todavia, em todo tempo ela está a aumentar, crescer e no tempo certo, com certeza, fruto ela dará! Nem eu, nem você, precisamos visualizar. Compete ao Pai tudo e a todos contemplar. Lembre-se sempre: querendo ou não! QUEM ÉS DEIXA MARCA!!
Essa é nossa maior herança!

100 anos Assembléia de Deus


A programação especial aprovada estabelece que, em junho, sejam realizados grandes eventos simultaneamente em todas as regiões do país, na mesma data, exatamente para marcar todo o país. “Será uma oportunidade singular para, inclusive, promovermos a denominação. Será um trabalho unificado e com um mesmo propósito, com o envolvimento das Assembleias de Deus em todas as capitais”, acrescenta pastor José Wellington. 

Na programação estão o desafio de batizar, em um só dia, cem mil novos crentes em todo o país; a realização de comemorações especiais em todas as capitais com o uso de evangelização estratégica; e a forte divulgação na mídia de toda a programação.



LINKS dos 100anos




>Sinopse Histórica
>Jornal Nacional
>Daniel Berg
>Blog Altair Germano
>Hino Oficial





Sinopse da História das Assembléias de Deus no Brasil


As Assembleias de Deus estão completando 100 anos no Brasil. Tudo começou com a vinda de dois missionários suecos que antes de chegarem ao Brasil visitaram o movimento de despertamento e avivamento espiritual da Rua Azuza em Los Angeles, EUA.  Daniel Berg e Gunnar Vingren atenderam a chamada missionária ao receberem uma revelação de Deus acerca do Pará. Porém, ambos não sabiam onde ficava. Ao pesquisarem no mapa descobriram que se tratava da região norte de nosso país. Obedecendo ao “ide” chegaram a terras brasileiras em 19 de novembro de 1910.
A princípio reuniram-se com as igrejas batistas aqui já instaladas, mas como traziam na bagagem a doutrina pentecostal do batismo no Espírito Santo com a evidência do falar em línguas e a atualidade da concessão de dons espirituais como nos tempos apostólicos, não demorou para que o Senhor Jesus começasse a batizar os membros daquela igreja que, não aceitando a nova doutrina, decidiram desligar da comunhão os crentes que se uniram aos missionários. Entre eles a irmã Celina Albuquerque, que na madrugada de 02 de junho de 1911 recebeu o batismo no Espírito Santo e falou em línguas conforme a promessa descrita no livro do profeta Joel 2 e seu cumprimento em Atos dos Apóstolos 2. Ela foi a primeira crente da igreja Batista de Belém a ser batizada. Logo outros foram batizados também. Um total de 13 membros deixou a igreja Batista em Belém do Pará para juntar-se aos missionários e fundarem em 18 de junho de 1911 a igreja Missão da Fé Apostólica.
Muitos estavam curiosos para conhecerem a nova doutrina. Houve rejeição por parte de alguns, mas muitos abraçaram a doutrina porque viam nas páginas da Bíblia a confirmação do que era pregado e ensinado pelos missionários estrangeiros. A essa altura as reuniões de oração que no início aconteciam na residência dos missionários, passaram à residência da irmã Celina de Albuquerque.
Reunidos na casa da irmã Celina, por sugestão de Gunnar Vingren, em 18 de janeiro de 1918, registrou-se a igreja Assembleia de Deus, nome que traz até hoje. Tendo origem no movimento pentecostal do início do século XX na América, as Assembleias de Deus do Brasil, cresceram nos moldes da igreja do Novo Testamento, onde os discípulos cheios do Espírito Santo levaram o Evangelho a todo o mundo.
Não muito tempo depois as Assembleias de Deus chegaram aos grandes centros urbanos das regiões Sul e Sudeste, como Porto Alegre, São Paulo e Belo Horizonte. Em 1922 chegou ao Rio de Janeiro, no bairro de São Cristóvão, e ganhou impulso com a transferência de Gunnar Vingren, de Belém, PA, em 1924, para a então capital da República.
Desde 1930, quando se realizou a primeira Convenção Geral dos pastores na cidade de Natal, RN, as Assembléias de Deus no Brasil passaram a ter autonomia interna, sendo administrada exclusivamente pelos pastores residentes no Brasil, sem, contudo perder os vínculos fraternais com a igreja na Suécia. A partir de 1936 a igreja passou a ter maior colaboração das Assembléias de Deus dos EUA através dos missionários enviados ao país, os quais se envolveram de forma mais direta com a estruturação teológica da denominação.
Em virtude de seu fenomenal crescimento, principalmente depois dos anos 90 com a criação e ação da chamada Década da Colheita, iniciativa das Assembléias de Deus, os pentecostais começaram a fazer diferença no cenário religioso brasileiro. De repente, as autoridades religiosas e seculares despertaram para uma possibilidade jamais imaginada: o Brasil poderia vir a tornar-se, no futuro, uma nação protestante. Tal possibilidade se tornou ainda mais real com a divulgação entre o final de 2006 e início de 2007 por um instituto de pesquisa de que, com vinte milhões de fiéis, o Brasil é o maior país pentecostal do mundo.
Atualmente os mesmos institutos de pesquisa apontam para uma mudança no perfil evangélico brasileiro em todos os setores da sociedade por conta da ação do Evangelho. As Assembleias de Deus estão hoje em todas as camadas da sociedade, inclusive com representantes na esfera política do Congresso Nacional. Como agente de mudança não somente espiritual, vê-se a igreja agindo em grande escala em trabalhos sociais de grande envergadura e empenhada a mudar a face do nosso país a partir do Evangelho de Jesus Cristo, tendo templos em quase todas as cidades brasileiras.
As Assembleias de Deus chegam ao seu centenário como uma igreja forte, crescente e saudável, mantendo a pureza da doutrina pentecostal  e, desafiando os especialistas em crescimento de igreja, continua expandindo-se desta feita para além das fronteiras, realizando um extraordinário trabalho missionário, tendo obreiros em quase todos os países do globo.
A Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB), presidida pelo Pr. José Wellington Bezerra da Costa, vem realizando no centenário das Assembleias de Deus solenidades cúlticas  em todas regiões do Brasil, preparando e conscientizando seus membros acerca importância da chegada dos missionários e da preservação da doutrina pentecostal em solo brasileiro.

Top Lists - Os dez maiores Vilões da Bíblia

1. Lúcifer - O Anjo caído, ex-maestro do céu.

2. Judas - O discípulo Traidor.

3. Caim - Matou o irmão e acabou, com um único assassinato, com 25 % da população da terra.

4. Pilatos - Governador Romano de Jerusalém nos tempos de Jesus, lavou as mãos por Ele.

5. Caifás - Judeu que planejou a morte de Jesus.

6. Herodes - Tentou matar Jesus ainda quando era criança, por isso matou milhares de bebês com menos de 2 anos de idade.

7. Acabe - Perseguiu Eliseu.

8. Jezabel - Esposa de Acabe.

9. Dalila - Filistéia, que traiu Sansão, cortando suas tranças.

10. Golias - Desafiou o povo de Israel o humilhou publicamente. Morreu pelas mãos de um pequeno Jovem, que se tornaria, mais tarde, rei. O rei Davi.

11. Nabuconodosor - Jogou três jovens na fornalha de fogo. Viveu 7 anos como bicho por blasfemar contra o Senhor.

12. Saul - Rei pelas mãos do povo, se afastou dos planos de Deus. Tentou inúmeras vezes matar o Jovem Davi.

13. Saulo - Antes de ser o grande missionário Paulo, perseguia cruelmente o povo de Deus.

14. Faraó - Dentre tantos deles, destacam-se o que mandou matar os filhos dos Hebreus, dentre os quais se salvou Moisés. E o seu filho Ramsés, que endureceu o coração contra o apelo de Moisés pela libertação de seu povo.

15. Absalão - Levantou-se contra o pai, o rei Davi, após um escândalo de família. Envolvendo sua irmã Tamar e um de seus irmãos chamado Amnom.

Top Lists - Os dez maiores Coadjuvantes da Bíblia

1. Dimas - O bom ladrão da Cruz.


2. Sara - Mulher de Abraão.


3. Josué - Substituto de Moisés.


4. Kalebe - Amigo de Josué.


5. Geazi - Moço, acompanhante de Eliseu.


6. Mardoqueu (ou Mordecai) - Tio da Rainha Ester.


7. Arão - Irmão de Moisés.


8. Jônatas - Filho de Saul, Amigo de Davi.


9. Silas - Amigo e sofredor com Paulo.


10. Ana - Mãe de Samuel.

Top Lists - As dez mulheres mais bonitas da Bíblia

1. Ester - Conquistou o rei e salvou seu povo. Veja: Ester 2:7


2. Sara - Mulher de Abraão, Encantava os Egípcios. Veja: Genesis 12:11-14.


3. Rainha de Sabá (foi visitar Salomão).


4. Dalila (mulher de Sansão).


5. Maria Madalena.


6. Maria Mãe de Jesus.


7. Bate-Seba (mulher de Urias, desejada por Davi).


8. Zípora (mulher de Moisés).


9. Rebeca (prometida de Isaque).


10. Raquel (esperada de Jacó).

Créditos para os historiadores:


Mariana
Raissa
Eliab
Danyelle

SÉRIE OS EVANGÉLICOS - JN


SÉRIE APRESENTADA PELO JORNAL NACIONAL, ACERCA DO CRESCIMENTO E DAS ATIVIDADES DESTA GRANDE PARCELA DA POPULAÇÃO BRASILEIRA (15%): OS EVANGÉLICOS.





OS EVANGÉLICOS - PARTE I

OS EVANGÉLICOS - PARTE II

OS EVANGÉLICOS - PARTE III

OS EVANGÉLICOS - PARTE IV

100 anos Assembléia de Deus - Jornal Nacional

Os evangélicos - Jornal Nacional - Parte IV

Os evangélicos - Jornal Nacional - Parte III

Os evangélicos - Jornal Nacional - Parte II

Os evangélicos - Jornal Nacional - Parte I

Daniel Berg



 O missionário e sua Família

Texto extraído de Centenário das Assembléias


DANIEL BERG 
(1884–1963)
Missionário, evangelista, pastor e fundador das Assembleias de Deus no Brasil. Nasceu em 19 de abril de 1884, na pequena cidade de Vargön, na Suécia, às margens do lago de Vernern. Quando recém-nascido, o padre da cidade visitou inúmeras vezes a casa de seus pais para convencê-los a batizá-lo, mas nada conseguiu. Por isso, desde criança, Daniel era mal visto pelo padre, que, desprestigiado, passou a dizer que a criança que não fosse batizada por ele jamais sairia de Vargön. “Já naquele tempo pude observar a desvantagem e o perigo de o povo ter uma fé dirigida, sem liberdade. A religião que dominava minha cidadezinha e arredores impossibilitava as almas de terem um encontro com o Salvador”, conta o pioneiro em suas memórias. 

Quando o evangelho começou a entrar nos lares de Vargön, seus pais, Gustav Verner Högberg e Fredrika Högberg, o receberam e ingressaram na Igreja Batista. Logo procuraram educar o filho segundo os princípios cristãos. Em 1899, quando contava 15 anos de idade, Daniel converteu-se e foi batizado nas águas na Igreja Batista de Ranum. 

Em 1902, aos 18 anos, pouco antes do início da primavera nórdica, deixou seu país. Embarcou a 5 de março de 1902, no porto báltico de Gothemburgo, no navio M.S. Romeu, com destino aos Estados Unidos. “Como tantos outros haviam feito antes de mim”, frisava. O motivo foi a grande depressão financeira que dominara a Suécia naquele ano. 

Em 25 de março de 1902, Daniel desembarcou em Boston. No Novo Mundo, sonhava, como tantos outros de sua época, em realizar-se profissionalmente. Mas Deus tinha um plano diferente e especial para sua vida. 

De Boston, viajou para Providence, Rhode Island, para se encontrar com amigos suecos, que lhe conseguiram um emprego numa fazenda. Permaneceu nos Estados Unidos por sete anos, onde se especializou como fundidor. Com saudades do lar, retornou à cidade natal, onde o tempo parecia parado. Nada havia se modificado. Só Lewi Pethrus*, seu melhor amigo, companheiro de infância, não morava mais ali. “Vive em uma cidade próxima, onde prega o evangelho”, explicou sua mãe. 

Logo chegou a seu conhecimento que seu amigo recebera o batismo no Espírito Santo, coisa nova para sua família. A mãe do amigo insistiu para que Daniel o visitasse. Aceitou o convite. No caminho, estudou as passagens bíblicas onde se baseava a “nova doutrina”.  

Chegando à igreja do amigo Lewi Pethrus (Igreja Batista de Lidköping), encontrou-o pregando. Sentou e prestou atenção na mensagem. Após o culto, conversaram longamente sobre a nova doutrina. Daniel demonstrou ser favorável. Em seguida, despediu de seus pais e partiu, pois sua intenção não era permanecer na Suécia, mas retornar à América do Norte. 

Em 1909, em meio à viagem de retorno aos Estados Unidos, Daniel orou com insistência a Deus, pedindo o batismo no Espírito Santo. Como não estava preocupado como da primeira vez, posto que já conhecia os EUA, canalizou toda a sua atenção à busca da bênção. 

Ao aproximar-se das plagas norte-americanas, sua oração foi respondida. A partir de então, sua vida mudou. Daniel passou a pregar mais a Palavra de Deus e a contar seu testemunho a todos. 

Ainda em 1909, por ocasião de uma conferência em Chicago, Daniel encontrou-se com o pastor batista Gunnar Vingren, que também fora batizado no Espírito Santo. Os dois conversaram horas sobre as convicções que tinham. Uma delas é que tanto um como o outro acreditava que tinham uma chamada missionária. Quanto mais dialogavam, mais suas chamadas eram fortalecidas. 

Quando Vingren estava em South Bend, Daniel Berg estava trabalhando em uma quitanda em Chicago quando o Espírito Santo mandou que se mudasse para South Bend. Berg abandonou seu emprego e foi até lá, onde encontrou Vingren pastoreando a igreja Batista dali. “Irmão Gunnar, Jesus ordenou-me que eu viesse me encontrar com o irmão para juntos louvarmos o seu nome”, disse Berg. “Está bem!”, respondeu Vingren com singeleza. Passaram, então, a encontrar-se diariamente para estudarem as Escrituras e orarem juntos, esperando uma orientação de Deus. 

Após a revelação divina dada ao irmão Olof Uldin de que o lugar para onde deveriam ir era o Pará, no Brasil, Daniel Berg, contra a vontade dos seus patrões, abandonou o emprego. Eles argumentaram: “Aqui você pode pregar o Evangelho também, Daniel; não precisa sair de Chicago”. Mas ele estava convicto da chamada e não voltou atrás. 

Ao se despedir, Berg recebeu de seu patrão uma bolacha e uma banana. Essa era uma tradição antiga nos Estados Unidos. Simbolizava o desejo de que jamais faltasse alimento para a pessoa que recebesse a oferta. 

Esse gesto serviu de consolo para Berg, que em seguida partiu com Vingren para Nova Iorque, e de lá para o Brasil em um navio. 

No Pará, Daniel, com 26 anos de idade, logo se empregou como caldereiro e fundidor na Companhia Port of Pará, recebendo salário mensal de 12 mil réis, passou a custear as aulas de português ministradas a Vingren por um professor particular. No fim do dia, Vingren ensinava o que aprendera a Daniel. Justamente por isso, Berg nunca aprendeu bem a língua portuguesa. O dinheiro que sobrava era usado na compra de Bíblias nos Estados Unidos. 

Tão logo começou a se fazer entender na língua portuguesa, passou a evangelizar nas cidades e vilas ao longo da Estrada de Ferro Belém-Bragança, enquanto Vingren cuidava do trabalho recém-nascido na capital. Como o evangelho era praticamente desconhecido no interior do Pará, Berg se tornou o pioneiro da evangelização na região. É que as igrejas evangélicas existentes na época não tinham recursos suficientes para promover a evangelização no interior. 

Após a evangelização de Bragança, tornou-se também o pioneiro na evangelização da Ilha de Marajó, onde peregrinou por muitos anos, a bordo de pequenas e grandes canoas. Berg ia de ilha em ilha, levando a mensagem bíblica aos pequenos grupos evangélicos que iam se formando por onde passava. 

No início de 1920, Daniel visitou a Suécia, onde se enamorou com a jovem Sara, com quem se casou em 31 de julho daquele ano. Em março de 1921, retornou ao Brasil, acompanhado por sua esposa. O casal teve dois filhos: David e Débora. 

Em 1922, seguiu para Vitória (ES) para estabelecer a Assembleia de Deus naquela capital, permanecendo até 1924, quando foi para Santos fundar a AD no Estado de São Paulo. Em 1927, o casal Berg mudou-se para a capital São Paulo, onde Daniel continuou fazendo seu trabalho de evangelismo até 1930. 
Depois de um período de descanso, seguiu para a obra missionária em Portugal, entre os anos 1932-1936, na cidade de Porto. Após passar pela Suécia, retornou ao Brasil, em 11 de maio de 1949. Permaneceu na cidade de Santo André (SP) até 1962, quando retornou definitivamente para a Suécia. 

Daniel Berg sempre foi muito humilde e simples. Em suas pregações e diálogos, sempre demonstrou essas virtudes. Ninguém o via irritado ou desanimado. Sempre que surgia algum problema, estas eram suas palavras: “Jesus é bom. Glória a Jesus! Aleluia! Jesus é muito bom. Ele salva, batiza no Espírito Santo e cura os enfermos. Ele faz tudo por nós. Glória a Jesus! Aleluia!”.  

No Jubileu de Ouro das Assembleias de Deus no Brasil, comemorado em Belém, Berg estava lá, inalterado, enquanto os irmãos faziam referência a sua atuação no início da obra. Para ele, a glória era única e exclusivamente para Jesus. Berg considerava-se apenas um instrumento de Deus. 

Nas comemorações do Jubileu no Rio de Janeiro, no Maracanãzinho, quando pastor Paulo Leivas Macalão colocou em sua lapela uma medalha de ouro, Berg externou visivelmente em seu rosto a ideia de que não merecia tal honraria. 

Até 1960, Berg recebeu, diretamente de Deus, a cura de suas enfermidades mediante a oração da fé. Mas, a respeito de suas condições de vida nos seus anos finais, pode-se inferir que não tinha o amparo que merecia. A esse respeito, o pioneiro Adrião Nobre protestou na revista A Seara, edição de novembro-dezembro de 1957, p. 32: “O irmão Berg reside em São Paulo (cidade de Santo André). Não sei como ele vive ultimamente; tive, contudo, notícias desagradáveis com relação à sua condição de vida – não tem, segundo soube, o descanso que merece, nem o conforto que lhe devemos proporcionar. Irmãos, não sejamos injustos, lembremo-nos de auxiliar o tão amado pioneiro da obra pentecostal no Brasil”.
Em 1963, foi hospitalizado na Suécia. Mesmo assim, ainda trabalhava para o Senhor. Ele saía da enfermaria para distribuir folhetos e orar pelos que se decidiam. A disciplina interna do hospital não lhe permitia fazer esse trabalho, por isso uma enfermeira foi designada para impor-lhe a proibição. Porém, ao deparar-se com o homem de Deus alquebrado pelo peso dos anos, mas vigoroso em sua tarefa espiritual, não teve coragem e desistiu da tarefa. Berg, então, continuou a oferecer literaturas. 

Finalmente, em 27 de maio de 1963, aos 79 anos, Daniel Berg morreu. Sua esposa, Sara, faleceu em 11 de abril de 1981. 

Fontes: BERG, Daniel. Enviado por Deus. Rio de Janeiro: CPAD, 8ª edição, 2000, 208 pp; VINGREN, Ivar. O diário do pioneiro – Gunnar Vingren. Rio de Janeiro: CPAD, 1ª edição, 1973, 222 pp; CONDE, Emílio. História das Assembleias de Deus no Brasil. Rio de Janeiro: CPAD, 1ª edição, 2000. pp. 19- 50; Ivar Vingren skriver om svensk pingstmission i Brasilien - Från missionsInstitutes serie av missionärsberättelser (Ivar Vingren escreve sobre a missão pentecostal sueca no Brasil - Da série de relatos de missionários do Instituto de Missões). Suécia, 1994, pp. 20-27; DESPERTAMENTO apostólico no Brasil. Tradução: Ivar Vingren. Rio de Janeiro: CPAD, 1987, pp. 7-44; VINGREN, Ivar. Det började i Pará - Svensk Pingstmission i Brasilien (Tudo começou no Pará - missão pentecostal sueca no Brasil). Ekrö, Suécia: MissionsInstitutet-PMU, 1994, pp. 28-34; Boa Semente, Belém (PA), setembro 1930, p. 5; Mensageiro da Paz, CPAD, setembro 1999; janeiro 1997; dezembro 1985; junho 1980; março 1980; agosto 1936, p. 5, 1a quinzena; julho 1936, p. 7, 2a quinzena; fevereiro 1933, p. 7, 2a quinzena; julho 1963 p. 1 2a quinzena; novembro 1933, p. 6, 2a quinzena; novembro 1989, p. 12; setembro 1981; Obreiro, CPAD, jan-mar 1979, pp.42-45; A Seara, CPAD, janeiro 1957, pp. 23-26, 36; julho 1963, pp. 4, 5.

Texto extraído do Dicionário do Movimento Pentecostal, editora CPAD, 1ª edição, 2007, Rio de Janeiro, pgs. 122-124
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pesquisar este blog